mnagano.com

bits, bytes e bravata!

O bom mangá à casa volta

Estreou ontem (11/05) pelo relógio daqui e, tecnicamente, “hoje” (sábado) no Japão a nova versão live-action de Maison Ikkoku (literalmente, casa do “um” momento). Seu enredo é baseado no mangá (história em quadrinhos japonês) homônimo, escrito e ilustrado por Rumiko Takahashi, mais conhecida por aqui por outros títulos, como Ranma 1/2 e Inu-Yasha (ainda publicado no Brasil).

ikkoku_original.jpgMaison Ikkoku é o nome de uma velha casa de apartamentos de aluguel em Tóquio onde convivem tipos excêntricos e amigáveis, unidos pelo eterno prazer de se reunirem em festinhas intermináveis para encher a cara e, nas horas vagas, azucrinarem a vida de Yusaku Godai (de branco no centro na imagem), um Ronin (estudante que não entrou na faculdade de primeira e terá de esperar pelo vestibular do próximo ano).

Nessa verdadeira “casa da sogra” surge uma nova administradora residente, a jovem e bela Kyoko Otonashi (à direita de avental), pela qual Godai se apaixona imediatamente, mas tal sentimento não é (aparentemente) correspondido, já que Kyoko ainda lamenta a perda de seu marido recentemente falecido.

Some-se a isso sentimentos reprimidos, mensagens mal entendidas, triângulos amorosos, rivais galanteadores, namoradas acidentais, parentes incômodos, intrometidos em geral e todo tipo de acontecimentos totalmente fora do controle e temos uma das narrativas mais interessantes sobre os altos e baixos da arte de amar de uma pessoa.

Muitos consideram Maison Ikkoku a obra-prima de Takahashi, já que ela mostra todo o seu talento como contadora de histórias, construindo uma narrativa simples e de fácil digestão, capaz de prender o interesse do leitor por anos a fio sem apelar para elementos sobrenaturais, como fontes amaldiçoadas (Ranma), seres do espaço (Urusei Yatsura) ou monstros do Japão feudal (Inu-Yasha). Ao contrário destes, Maison Ikkoku foi uma série voltada para um público mais maduro que, curiosamente, não explorava levianamente temas mais “adultos”, se é que vocês me entendem (wink! wink!).

Outra característica interessante, é que a história se desenrolou mais ou menos em tempo real por quase sete anos (de novembro de 1980 à abril de 1987) de modo que tanto o passar das estações no Japão quanto os eventos do calendário, batiam mais ou menos com os episódios da semana em que foram originalmente publicados.

Sob o ponto de vista histórico, Maison Ikkoku é um bom retrato dos hábitos e costumes do japonês de classe média dos anos 1980, tempos felizes e cheios de certezas antes do estouro da bolha econômica, da demonização do tabaco, da chegada dos estrangeiros no mercado de trabalho e dos telefones celulares.

Como outros trabalhos da autora, essa história virou anime (desenho animado) em 1986 (96 episódios), mesmo ano em que foi lançado o pavoroso filme live-action no qual os atores e as locações nem lembram muito o anime ou o mangá, uma verdadeira jóia do gênero “filme oportunista e de baixo orçamento”.

maisonlivecast.jpgFelizmente, os produtores da TV Asashi parecem não ter cometido o mesmo erro, fazendo uma escolha mais cuidadosa dos atores, e o resultado — na minha opinião — foi bastante satisfatório, sendo que alguns deles não são desconhecidos pela comunidade de fãs de anime.

Um bom exemplo é Misaki Ito, que faz o papel de Kyoko Otonashi e que também fez o papel de Saori Aoyama (a.k.a. Hermes), a musa de Tsuyoshi Yamada da série Densha Otoko.

Outros atores que parecem ter nascido para seus respectivos papéis são Ikki Sawamura, como o galante Shun Mitaka, Nana Eikura, como a irritantemente doce e difícil de ser dispensada Kozue Nanao e o cachorro que faz o papel de Soichiro-san. Ittoku Kishibe faz um Yotsuya mais velho que no mangá, o que se encaixa até melhor no perfil de um personagem misterioso e meio velhaco.

Mais detalhes sobre o mangá e o anime podem ser encontrados aqui.

No site oficial, pode ser encontrados mais detalhes sobre o elenco, algum merchandise e até um pequeno teaser. O mangá também está sendo relançado no Japão em um novo formato chamado Shinsoban, que parece ser um Bunkoban com capa nova.

O mangá em inglês foi reeditado e concluído pela Viz Media assim como o anime em DVD. Ambos podem ser encontrados no Amazon.com.

No Brasil, a loja Animanga chegou a ter quase toda a coleção original (Tankouban) em japonês, alguns episódios do anime em VHS e até alguns volumes da série original da Viz (em inglês), mas eles não constam do catálogo on-line. Mais fácil ligar para a loja que agora só vende pelo correio.

Trivia:

Rumiko Takahashi é famosa pela sua capacidade de bolar nomes criativos, cheios de trocadilhos e interpretações secundárias. No caso de Maison Ikkoku, o nome dos personagens principais estão relacionados com números, o que é mais fácil de ser percebido na versão em japonês por causa da escrita — algo como ver “Humberto” escrito como “1-berto”.

Uma descrição detalhada dos nomes e todos os seus possíveis significados podem ser encontrados aqui.

A exceção ficaria por conta de Kyoko, apesar de alguns afirmarem que como a palavra Otonashi significa “quieto” ou “sem som”, logo “sem” = “nada” = “zero”.

Outros dizem que esse sobrenome tem o mesmo som de “Otto Nashi“, que poderia ser traduzido como “sem marido”. Assim, Kyoko Otonashi poderia ser lido como “Kyoko Sem Marido“, o que não deixa de ser verdade nesse caso.

Veja Também

Histórias de Hiroshima

(rev.ok)

Anúncios

12 maio, 2007 - Posted by | Genshiken, Papo cabeça

3 Comentários »

  1. Olá, quero saber se há alguma faculdade de cartunismo em mangá aqui no Brasil.
    Eu tenho 14 anos e quero começar a ter um contato desde já com essa área.
    Por favor, mandem para o meu e-mail.
    Ficarei muito agradecida se me deixassem algum site, fanfic ou algum contato com algum mangaká brasileiro para dicas.
    Aguardo.

    Comentário por Marina Guimarães Destro | 12 junho, 2007 | Responder

  2. Cara Marina,
    Apesar de leitor regular e apreciador da arte, não tenho muito envolvimento com os círculos de mangá e anime no Brasil. Minha sugestão é que vc visite o site do Animanga (www.animanga.com.br) que, apesar de ter fechado sua livraria na Vila Mariana ainda mantém a loja virtual e ministra seus cursos regulares, incluindo um de ilustração de mangá.
    Boa sorte!

    Comentário por mnagano | 17 junho, 2007 | Responder

  3. BOM DIA !
    EXCELENTE COMENTÁRIO À RESPEITO DO “MAISON IKKOKU” !!!
    PARABÉNS !!!!!!!!!!!!

    ADORO MANGÁS, LÍ VÁRIOS MANGÁS ATÉ HJ, MAS CONFESSO QUE SE ME PERGUNTAREM QUAL FOI O QUE GOSTEI MAIS, SEMPRE RESPONDEREI O MAISON… ACHO QUE MARCOU MUITO NA ÉPOCA, TALVEZ SEJA POR ISSO… GOSTO MUITO DOS MANGÁS E DO ESTILO DA TAKAHASHI RUMIKO, TANTO É QUE QDO FUI AO JAPÃO (FUI DEKASSEGUI) ADQUIRÍ O MAISON, RANMA, E INUYASHA, FORA OUTROS CURTAS ,ALÉM DE VÁRIOS OUTROS MANGÁS DE OUTROS AUTORES (ACABEI MANDANDO TUDO POR NAVIO). ATUALMENTE PAREI , POIS NÃO TENHO MAIS ACESSO À MANGÁS, FICA CARO COMPRAR AQUI NO BRASIL, POIS PREFIRO ORIGINAIS , MAS SEMPRE DOU UMA RELIDA EM ALGUNS QDO VOU NA MINHA MÃE, POIS DEIXEI TODOS GUARDADOS POR LÁ.
    SERÁ QUE VC SABERIA ME INFORMAR QTAS HORAS TEM O FILME LANÇADO PELA TV ASAHI NESTE ANO ???
    ASSISTÍ ESSE ESPECIAL QUE BAIXEI NA NET,GOSTEI MUITO DA ADAPTAÇÃO FIEL AO MANGÁ, (NADINHA A VER COM AQUELE LIXO QUE LANÇARAM À MUITO TEMPO ATRÁS) MAS O QUE EU ASSISTÍ AINDA FALTA UMA BOA PARTE ATÉ CHEGAR NA CONCLUSÃO FINAL … TERMINA BEM NA PARTE ONDE APARECE O MITAKA ENSINANDO TÊNIS P/ A OTONASHI…
    SERÁ QUE LANÇARAM SOMENTE UMA PRIMEIRA PARTE ?????

    OBRIGADO E PARABÉNS MAIS UMA VEZ PELO SITE, ABRAÇOS !

    Comentário por jaime | 17 agosto, 2007 | Responder


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: