mnagano.com

bits, bytes e bravata!

Entrevista: Cezar Taurion fala sobre o ODF

odf_logo_a.jpg

Desde o final de outubro, temos acompanhado a repercussão da notícia que o Open Document Foundation — grupo criado para promover o ODF — abandonou o apoio ao seu próprio padrão em favor de uma nova especificação mais amigável aos padrões da Microsoft, o chamado CDF.

A equipe do Zumo (formado por Henrique Martin, Mário Nagano e Rafael Rigues) foi convidado para entrevistar — por e-mail — Cezar Taurion, gerente de novas tecnologias aplicadas da IBM Brasil, para falar sobre esse assunto.

Veja abaixo a nota na íntegra, publicada simultaneamente aqui e no Zumo Blog (nosso site irmão mais velho):

***

Zumo: Se o senhor estivesse numa reunião e seu cliente está interessado no ODF, mas ouviu falar da desistência do Open Document Foundation ao ODF, qual seria o seu conselho?

Cezar Taurion: Bem, antes de mais nada mostraria a ele que esta organização não tem nenhuma representatividade, é composta apenas de três ou quatro pessoas. E que esta decisão é apenas uma decisão pessoal, motivada por não ter certos pleitos atendidos. Aliás, ela já fechou as portas. E que não se perturbem pelo movimento de FUD (medo, incerteza e dúvida, em inglês) que inevitavelmente vai começar a aparecer, devido à grande importância do assunto.

Já ouvi de outras pessoas que o apoio do Open Document Foundation ao padrão ODF não é tão importante quanto o nome da entidade sugere. Na sua opinião, isso é verdade?
Sim, veja a resposta anterior.

Quais são as outras entidades que ainda apóiam o ODF e qual sua importância se comparada com o Open Document Foundation?
Bem, antes de mais nada temos a própria OASIS e seus apoiadores, que desenvolvem e evoluem o padrão ODF. Tem a ODF Alliance, com centenas de apoiadores e as empresas que apóiam intensamente o ODF, do porte da IBM, Sun, Google e diversas outras.

Como está o ODF no Brasil? Quem já adota o padrão e qual sua importância?
O ODF no Brasil faz parte do padrão e-ping do governo e já está sendo adotado por diversas empresas e órgãos de governo.

A IBM adota o padrão ODF?
Sim, e inclusive liberamos um software (uma suíte de escritórios free), chamado Symphony que pode ser baixado da internet. Mais de 250 mil downloads já foram feitos. O Symphony está também embutido na nossa solução Notes.

Qual a sua opinião em relação ao padrão CDF (Compound Document Format)? Ele seria melhor, pior ou complementar ao ODF?

O CDF é mais voltado para uso em browsers e o ODF mais focado em documentos em suas várias formas, como textos, planilhas, apresentações etc.

Como o Lotus Symphony se encaixa na estratégia do ODF? Seria um jeito de garantir o apoio ao ODF, caso o OpenOffice desista do padrão?

O Symphony é baseado no OpenOffice. Temos um laboratório na China criado para apoiar o OpenOffice e acreditamos que esta comunidade vai continuar firme. E não há a mínima possibilidade do OpenOffice desistir do ODF.

Qual o nível de interoperabilidade do Symphony com os vários formatos do Office? É possível garantir uma conversão 100% integral de todos os atributos (imagens, macros, fontes) de um formato para outro e vice-versa?

Acabamos de lançar a versão 2, embora ainda em beta. A cada versão esta compatibilidade é mais e mais refinada. Claro que como o padrão .doc é fechado, nem sempre você consegue uma compatibilidade 100%, mas na prática a imensa maioria de arquivos pode ser intercambiado.

No passado já ouvi dizer que o HTML poderia ser um formato universal de arquivos. Você concorda com isso? O que falta para o HTML cumprir esse papel?
É um padrão internacionalmente aceito para páginas web e cumpre muito bem este papel. Não vale a pena tentar esticá-lo para ser outra coisa.

Qual seria sua reação se a Microsoft adotasse o padrão ODF? Seria uma atitude correta por parte deles?
Esta deveria ser a atitude correta, pois um único padrão é melhor que dois ou três…. Aliás, sugiro dar uma lida no meu blog, e pesquisar as tags ODF e OpenXML para discussões mais amplas sobre o assunto.

***

Pergunta bônus (off-topic):

Como andam as experiências de uso do processador Cell em servidores no
Brasil?

Existem várias implementações em andamento no nosso LTC (Linux Technology Center) em Campinas. Sugiro uma conversa com o pessaol do LTC. E temos também uma experiência em andamento que é acoplar o Cell ao system z (mainframe) para rodar o game da Hoplon (empresa brasileira!). No blog, a tag gameframe tem uma discussão sobre o assunto.

26 novembro, 2007 - Posted by | Entrevista, IBM, Notícia

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: